quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Dando o braço (e a perna) a torcer

Talvez só exista uma coisa que faço mais lento do que correr: leitura. E digamos que é difícil dizer qual das duas coisas eu gosto mais, aliás, nunca tentei as duas as mesmo tempo! Enquanto colocava minha leitura de revistas de corrida em dia, encontrei uma matéria muito interessante que falava sobre a forma precária como alguns corredores enfrentam uma maratona e os resultados igualmente insatisfatórios destes casos. Bom, eu sou um destes exemplos.

Já contei diversas vezes aqui, mas para quem chegou agora não deve saber que a primeira vez que fui para os 42 Km a culpada foi a tal sorte. “Luck be a Lady”, como diria o Sinatra. O que interessa é que fui sorteado para ganhar uma inscrição da Maratona de São Paulo, mas dada a responsabilidade do sorteador, foi oferecido trocar para os 10 Km. Também dada a irresponsabilidade do sorteado, a resposta foi “não, quem corre 21, corre 42”. Por incrível que pareça, aquela não foi minha pior performance na distância, ainda mais em uma prova difícil como a de São Paulo, as piores vieram depois.

Corri no ano seguinte a Maratona do Rio lesionado, fui parar na ambulância no final da Maratona de São Paulo em 2011 e no ano passado fiz a de Curitiba após 2 semanas com muito trabalho, pouco sono e péssima alimentação. Resultado: meu pior resultado. Neste ano, apesar da Maratona do Rio não ter saído como eu queria, o calor foi realmente de rachar para os mais lentos, e eu me enquadro nesta categoria. Mas aonde esta criatura burra, tapada e teimosa quer chegar com este post e a leitura da matéria da revista?

Na reportagem era sugerido que as grandes maratonas tivessem tempo de corte de 5 horas. No meu caso, em 7 das 8 provas que participei da distância, eu seria convidado a me retirar. Na que sobrevivi ao corte, foi por meros 52 segundos antes das 5 badaladas do relógio. Sabe o pior de tudo? Eu concordo com esta regra!

Em primeiro lugar, 42 Km de corrida significam 42 Km de vias interditadas e incontáveis Kms de desvios pelo caminho. Quem já correu em Curitiba sabe que o pessoal de lá não tem muita paciência com a Maratona e desce a mão na buzina em alguns cruzamentos. Em São Paulo é deprimente ver a Av. Juscelino Kubistchek toda travada às 2 da tarde devido à corrida que ainda não terminou. Pensando do lado do corpo humano, deixar a máquina em pé e queimando lenha na fogueira este tempo todo pode significar falta de preparo. Daí, risco para a saúde e integridade do corredor.

O problema é que estamos no Brasil. Se você tentar tirar um cara do circuito por estar acima do tempo de corte ele vai chiar, fazer barulho, pode até partir para a agressão contra o organizador. Mas lá fora isto acontece com certeza, afinal, regra é regra, e aqui as pessoas cada vez mais acham que regras são feitas para serem ignoradas.

Não me entenda mal, se você termina muito acima das 5 horas, então deve ter terminado comigo alguma destas provas. A preocupação é exatamente esta, ou seja, estamos fazendo isto errado! No meu caso, acho que terminar por volta de 04:40 seria uma meta alcançável e razoável, dada minha velocidade em 10 e 21 Km. Quando a prova é mais técnica, como São Paulo e Curitiba, ou treina mais, ou deixa para outra ocasião. Portanto, este post não é uma bronca, não é para te humilhar e muito menos desmotivar, mas sim para tentar conscientizar que se é para encarar uma prova dessas, o jeito é apertar o cinto e melhorar o treinamento.

Falando nisso, é melhor ir dormir agora, sono também é parte do treino do maratonista.


4 comentários:

  1. Pode ser frustrante para o corredor ter que se retirar da prova, afinal ele pagou para isso (mas sempre é bom que tenha lido o regulamento e o tempo limite de conclusão da prova) e até treinou (cada um corre no seu ritmo), mas tem tudo o que você mencionou. Trânsito nas grandes cidades no domingo com vias interditadas vira um caos, quase igual ao meio da semana.

    E ainda tem o fato de submeter o corpo a um esforço que não é necessário. Talvez haja pessoas que nunca vão conseguir correr uma maratona em menos de 5 horas. Pode ser frustrante ter que procurar provas que tenham um tempo de corte maior.

    Por outro lado, mais de 5 horas é se expor demais. E o que é superação no momento pode ser algo que venha a prejudicar mais para frente.

    Eu meio que concordo com o tempo limite, mas ainda penso em quem se preparou para isso, seja para o tempo de conclusão que for. Visualizei a cena que você falou da briga haha. É complicado, mas se está no regulamento, que seja cumprido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente com você, eu ficaria arrasado se fosse convidado a pegar o "ônibus" também conhecido como "vassourão". Mas seria um incentivo a mais, e um parâmetro a ser respeitado pelos corredores.

      Boas corridas!

      Excluir
  2. É verdade, se é para competir, que seja ... Meu carinho e bons treinos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A competição pode até ser contra o relógio, contanto que tenhamos parâmetros de segurança.

      Bons treinos!

      Excluir