terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Corrida Sargento Gonzaguinha, prova exemplar

Nem vou começar dizendo que o post está um pouco atrasado, bom, está mesmo. Mas antes tarde do que só no próximo ano, então vamos direto ao assunto. Mais uma edição da Corrida Sargento Gonzaguinha, a 49ª., e como sempre o resultado mostrou que uma corrida pode sim ser simples e agradar os atletas. Talvez você já tenha lido bastante sobre esta prova, afinal, com tantas edições com certeza outros blogueiros ou mesmo seus colegas já devem ter contado do que se trata, então prefiro fazer uma reflexão sobre o evento, focando apenas no que chamou a atenção deste humilde corredor.


A prova tem largada e chegada na Escola de Educação Física da Polícia Militar de São Paulo, Zona Norte da capital, com fácil acesso por estar a menos de 300 metros da estação Armênia do Metrô. Mesmo para quem vem de locais mais distantes, a opção de deixar o carro próximo a uma estação e aproveitar o transporte público já é um diferencial que poupa os tradicionais transtornos de procurar vaga para estacionar em dia de corrida. O kit do corredor, retirado no mesmo local na véspera, era composto apenas por uma camiseta de poliamida, número de peito e chip, nada de sacola ou outros badulaques que entopem gavetas. Não me entenda mal, eu até
participei de provas que davam bons utensílios de corrida ao longo do ano, mas no caso de uma inscrição a R$ 55,00, está de ótimo tamanho receber um kit mais simples.

Estrutura de guarda-volumes no mesmo local de retirada dos kits e largada na Av. Cruzeiro do Sul, para 15 Km em pleno mês de dezembro. Mas o clima estava favorável na manhã do dia 13, e foi possível estabelecer a velocidade um pouco acima do normal. Era meu objetivo fazer a prova em menos de 01:30:00, o que não seria normal para os meus padrões, um esforço a mais a ser testado. Com percurso praticamente plano, duas “subidas” apenas, ambas nas pontes que fazem parte do trajeto. Nada de mais, depois das Maratonas de Foz e Curitiba, a gente pensa melhor antes de chamar qualquer elevação de “subida”.

Excelente hidratação no percurso, fartura de água, senti apenas que das últimas edições para esta o número de policiais ao longo da via diminuiu um pouco, uma vez que a prova é promovida pela corporação. Tudo muito tranquilo, boa sinalização e sem muita muvuca, os corredores dispersaram
rapidamente e cada um seguiu seu ritmo. Uma leve mudança no trecho final, pelo menos desde que participei pela última vez, com a chegada logo na reta da pista de atletismo, sem precisar pisar muito naquela terra preta que entope os tênis de corrida. E para minha surpresa, 01:24:35, recorde pessoal e é claro, meta cumprida.

O kit pós prova era composto por 2 (sim, dois) lanches, bolinho, suco e água. De novo, passe os olhos no texto lá em cima e veja quanto foi a inscrição. Precisa mais do que isso para que uma corrida seja um sucesso? Não me refiro à marca pessoal, acho que há espaço para eventos mais elaborados no calendário, com shows, massagem, mimos no kit, mas de vez em quando é bom simplesmente uma camiseta básica, inscrição a preço justo e é claro, vontade de correr.

E acabou 2015...

Não vou fazer grandes retrospectivas, quem segue o blog já sabe as estripulias que eu aprontei neste ano, e se não, é só consultar os últimos posts. Basta dizer que não foi um ano fácil para ninguém, mas consegui complicar um pouco mais colocando provas longas em mais momentos do que deveria. Novas marcas alcançadas, novas experiências e por sorte nenhuma nova lesão. Participei de boas provas, não posso me queixar, apenas gostaria de ter participado de mais, só que a tal crise afeta o bolso do corredor, quer queira ou não. De novo, não tenho do que reclamar. As conquistas estão aí abaixo.


Então, um excelente 2016 para você, que o ano novo traga muitos Kms de corrida! (desejamos isso todo final de ano, e sei lá, tem dado certo).

Feliz Ano Novo!


Nenhum comentário:

Postar um comentário