sábado, 31 de dezembro de 2016

E 2016 termina (finalmente!) na tradicional Corrida Sargento Gonzaguinha

Apedrejar 2016 está na moda na última semana, então vamos fazê-lo nas corridas também, afinal, nem na nossa diversão predileta as coisas foram fáceis no ano que passou. Antes de fazer uma retrospectiva, vou contar um pouquinho sobre a já conhecida Corrida Sargento Gonzaguinha no último dia 11/12, que tem a chancela da Polícia Militar do Estado de São Paulo e é organizada pela Parreiras Sports, mantendo sua tradição de prova boa para correr, percurso plano, inscrição acessível e kit com somente o que interessa (e nem por isso menos bem preparado).

Kit entregue na véspera no próprio local de largada na área do guarda-volumes, simples, composto somente por uma boa camiseta e número de peito, mas com muita agilidade do staff, membros da
própria PM e alunos da escola. Enquanto isso, uma corrida mirim acontecia na pista de atletismo, com baterias divididas por faixa etária, botando os pequeninos para suar as camisetas. E de quebra, ver de perto equipamentos da Polícia Militar, como o helicóptero Águia e até um veículo de transporte do Batalhão de Choque. Marmanjos também não desgrudavam destas atrações.


Largando da Escola de Educação Física da PM, o percurso não sofreu grandes alterações nos últimos anos, acontecendo nas ruas da Zona Norte da cidade e passando pelas pistas laterais da Marginal Tietê, para desespero dos motoristas que logo cedo buscavam chegar à região central para as compras de final de ano. Gancho para a postagem sobre a Maratona de Curitiba: em nenhum momento eu considero o paulistano melhor que o curitibano ou vice-versa, mas sejamos justos, não vi ninguém estressado no trânsito aqui como estava lá durante a corrida, e olha que o transtorno causado pela lentidão nas marginais é sufocante para qualquer um.


Após um ano muito duro nas corridas, por motivos que nem interessam aqui (e que talvez eu te conte algum dia), larguei bem posicionado e coloquei um pouco de ritmo forte para os meus padrões, é claro, como havia sido nas últimas provas de curta distância. Dos 15 Km do percurso, resolvi testar uma tática que havia lido recentemente em uma matéria referente ao ritmo de provas longas, afinal, estava ali apenas para curtir a última corrida do ano: fui em um ritmo acima do meu normal nos primeiros 10 Km e depois diminui nos últimos 5 Km, propositalmente para simular o desgaste
de um trecho mais longo, e para aproveitar que o dia começava a ficar abafado.

Terminei o percurso com um novo recorde pessoal nesta prova, 01:24:01, e nem esperava por isso, pois como disse, era só para testar a estratégia (do Francês “stratégie”, entende?). O kit pós-prova é sempre recheado com 2 lanches, suco, água e um bolinho doce, nada mal para uma corrida muito bem organizada e que custou abaixo dos valores atuais das inscrições, R$ 70,00. Ainda aproveitei um incentivo dado pela Federação Paulista de Atletismo, que patrocinou 50% do valor para os associados ao programa Sócio Corredor.


E assim termina 2016, não vou fazer “melhores momentos” do ano, apesar de terem existido. Também não vai ter “to be continued...” mas sim “to be finished”, mas esta, como já falei, é outra estória.

Nenhum comentário:

Postar um comentário