segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Olha eu aí, nas páginas da Revista Contra-Relógio!


Antes de contar sobre os metros finais da Comrades chegando no estádio Moses Mabhida, uma pausa para compartilhar a surpresa gratificante da foto ao lado. Na edição de agosto da Revista Contra-Relógio, importante veículo de informação aos corredores nos últimos 25 anos, foi publicado um texto que escrevi contando como utilizei as planilhas sugeridas pela revista aos leitores para encarar os desafios de maratonas e meias pelo mundo afora. Dada a importância que estas planilhas tiveram em meu planejamento para a ultramaratona, compartilhei com o editor chefe, Tomaz Lourenço, o texto que estampa as páginas 44 e 45 da edição 299 de agosto 2018, onde conto um pouco de como aproveitei o direcionamento das matérias na preparação específica para os 90 Km.

A ausência de provas como a Comrades no Brasil, ou pelo menos corridas em asfalto com percursos acima dos 42.195 metros da maratona, torna difícil para o corredor planejar os treinos voltados à uma competição com características da ultra sul-africana. Tomei como base provas semelhantes, planilhas que indicavam como gerenciar duas maratonas próximas e até mesmo uma sugestão de treino para a Comrades que também já apareceu nas páginas da revista.

Gráfico de Burndown
Semanalmente balizava meus volumes de treinos de corrida com o proposto pela revista, montando alguns gráficos que ajudaram a tomar rumos nos momentos de indecisão. Gostaria de ter seguido à risca as sequências propostas, com treinos de tiros, subidas e rodagens como apresentado pelos profissionais que criaram os estudos, porém muitas vezes elas não se adaptam à uma rotina de escritório, como é o meu caso. Mesmo assim, os volumes de treinos sugeridos mostravam como deveria ser a evolução do treinamento ao longo dos meses, informação de grande valia.

É importante ressaltar que como complemento dos treinos propostos pela revista, que focavam essencialmente na corrida, encaixei musculação, bike ergométrica, máquina de remo e sessões semanais de natação, de forma a liberar o corpo para não trabalhar somente os músculos da corrida. 

a disciplina para preencher tanta informação não é fácil,
mas vale a pena!
Estes treinos extras, aliados ao direcionamento da corrida, permitiram chegar ao final do período sem dores ou lesões, mostrando a importância do planejamento prévio para uma prova deste porte.

Edição 299 - Agosto 2018
Este aqui que lhes escreve corre há mais de 12 anos, e também lê a publicação desde que iniciou suas passadas. E mais uma vez registro meu agradecimento à Revista Contra-Relógio na figura de seu editor Tomaz Lourenço e equipe pela oportunidade de compartilhar esta experiência com os leitores. Minha mais sincera admiração pelos profissionais que contribuem mensalmente com informações tão importantes para os corredores!

(ah sim, eu “desfoquei” propositalmente o texto da minha foto, assim não desrespeito os direitos de publicação da revista e ainda convenço você a comprar a edição para ler a matéria...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário