terça-feira, 15 de março de 2016

Reflexões, resoluções e a Meia Maratona Internacional de São Paulo

Aí você vai dizer: este blog parece abandonado, nunca tem nada de novo! Concordo, o blogueiro estava um pouco afastado, e acredite, vai continuar afastado mais um tempo e com poucas oportunidades para contribuir com algo novo em termos de corridas e esportes similares. Deixou de correr? De jeito nenhum, comparativamente eu estou correndo mais que nos anos anteriores, apenas participando de bem menos eventos. Tanto pela forma seletiva de encontrar provas que se enquadrem nos meus objetivos, quanto pelos fatores preço/repetição/organização, ou tudo junto.

Mas como é extremamente chato viver só de treinos, o jeito é colocar uma prova aqui ou ali, pois estas competições servem para testar o quanto se está evoluindo em direção ao objetivo final. E uma que não poderia faltar no meu calendário e plano de voo é a Meia Maratona Internacional de São Paulo, que ocorreu no último dia 21/02. Prova já tradicional para os corredores, especialmente aqueles que já começam o ano procurando um evento de duração maior que as provas de 10 K que recheiam os finais de semana da maioria das cidades, mais uma vez seguiu os moldes já definidos de entrega de kits, regulamento, local e outros detalhes que os leitores já viram aqui e em outros textos diversas vezes. Então vamos falar do que realmente importou nesta prova. Em resumo:
- organização eficiente e muito boa
- percurso alterado mais uma vez, e para pior, mais uma vez

Realmente não tenho reclamações do organizador Yescom, no que diz respeito ao evento eu não percebi falhas graves que possam “condenar” a organização por qualquer motivo, mas é claro, tem sempre aquele corredor que viu este ou aquele problema. Cada um, cada um. Minha ressalva é quanto ao percurso, que a cada ano passa mais longe da região dos bairros Luz e Bom Retiro, trechos já consagrados que nas edições anteriores permitiam aos corredores passar pela R. José Paulino e na frente Estação da Luz, dando todo um charme ao roteiro. Ao invés disso, o trecho foi substituído por uma enfadonha sequência de quarteirões e curvas noventa graus nas proximidades da Av. Rio Branco. O motivo: a ineficiência da gestão pública (ou falta de interesse) em extinguir a famosa Cracolândia, reduto de viciados e traficantes que assola o outro lado da Av. Rio Branco. Pensando obviamente na segurança dos corredores, o trajeto deixou de contemplar pontos históricos da cidade, meramente para evitar cruzar grupos tão distintos.


Ridículo? Sim, mas não vou discutir políticas públicas aqui. Fui lá, aproveitei meus objetivos nos 21 Km e até baixei meu tempo com relação ao ano anterior, terminando o duro e abafado percurso em 02:13:04, em uma prova considerada de bom nível técnico. Inscrição feita no lote promocional há mais de 6 meses, paguei o valor justo de R$ 50,00, afinal, eu já sabia que iria participar e valeu a pena adiantar o investimento. Sugiro aos corredores planejar suas provas com antecedência e aproveitar os lotes promocionais, pois em tempos de crise, gastar dinheiro com inscrições altas pode não ser uma boa ideia.

E o ano começou. Não fuja, o blog ainda está aqui, o blogueiro também. Se eu já achava difícil conciliar um trabalho normal e as corridas, fazer tudo isso e ainda colocar treinos específicos está mais complicado ainda.

Então fica a dúvida: o que o Rinaldo realmente está aprontando?

Em breve.

2 comentários:

  1. O meu blog também anda meio "abandonado" Rinaldo. Fiz uma prova de 4,3kms a quase duas semanas e ainda não escrevi nada sobre ela. rsrs
    Mas, parabéns pela prova e melhora de tempo em relação ao ano passado.
    Abraço e bons treinos.


    tutta-Baleias/PR
    www.correndocorridas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu amigo Tutta! Nós, blogueiros das antigas, não abandonamos nossos blogs, mesmo que demore um tempo para publicar os posts.

      Abraço e boas corridas!

      Excluir