domingo, 13 de dezembro de 2009

43ª Corrida Sargento Gonzaguinha: chove lá fora...

Imagine aproximadamente 4 mil pessoas debaixo de chuva e com a missão de percorrer 15 Km nas ruas da Zona Norte de São Paulo. E o mais incrível de tudo: extremamente felizes durante todo o percurso! A já tradicional prova promovida pela Escola de Educação Física da Polícia Militar e organizada pela Yescom aconteceu neste domingo cheio de chuva, mas um episódio do aguaceiro que não deu sossego para a capital paulista durante toda a semana.

A prova é uma seletiva oficial para a São Silvestre, vencida neste ano por Franck Caldeira e Zenaide Vieira, mas nem se assemelha ao sobe e desce da tradicional última corrida do ano. O percurso é quase totalmente plano, exceto pela subida das pontes, mas nada de outro mundo. O que vale como treino da São Silvestre são os 15 Km, bem menos congestionados e com muito mais retas.

Enchente na Marginal Tietê? Neste domingo, pelo menos pela manhã, o trânsito ficou complicado não pela subida das águas do Rio Tietê, e sim pela torrente de corredores que ocupou a pista local entre as pontes Cruzeiro do Sul e Casa Verde. Eu imagino aquelas pessoas dentro do carro assistindo um bando de gente debaixo de uma chuva chata, conversando, rindo, dando o melhor de si. Coisa de doido mesmo.

Porém, faltando uns 50 metros para acabar a prova, uma surpresinha bem desagradável para todos os corredores, da elite ao último que finalizou: a chegada está na pista de atletismo da Escola, sendo que esta é feita daquela terra preta e fina, que naturalmente virou lama com tanta água. O tênis da foto ao lado é branco, acredite, e o único consolo é que ninguém saiu sem “batizar” seus pares naquele lamaçal todo. Que idéia fraca da organização terminar a prova deste jeito! Mas foi legal assim mesmo, eu ria de desespero do meu tênis, para não chorar. Ah, e fiquei muito feliz com meu tempo: 01:31:07, levando em consideração tantas adversidades.

E assim começa o domingo do corredor: encharcado de chuva, pernas cansadas depois de quinze quilômetros de asfalto, bolhas para alguns devido aos tênis molhados e lama no final. Mas todos satisfeitos com a medalha no peito e já falando da São Silvestre, Prova de Reis, Disney, Nova York, Maratona de São Paulo, etc.

Como diria o Rodolfo Lucena: “ê vidão!”

P.S.: o tênis já foi devidamente revitalizado e passa bem.

3 comentários:

  1. claudio corredor é assim mesmo.

    não come mel, chupa a abelha!

    valeu!

    nadais

    ResponderExcluir
  2. concordando com o que voce falou e um acrescimo de muitosssss minutos fora aquela lama toda, levei muito tempo para conseguir sair da escola , a fila era imensa eu estava toda suja , molhada com frio e nao conseguia sair ...
    absurdo!!!
    (meu tenis esta se recuperando :0) )

    ResponderExcluir
  3. Belo relato da prova Rinaldo.
    E parabéns, pela conclusão de mais uma na sua carreira de corredor, e que venha a São Silvestre, não é mesmo???hehe
    Abraço.


    tutta/ubiratã
    www.correndocorridas.blogspot.com

    ResponderExcluir