segunda-feira, 7 de maio de 2012

Travessia Netuno: homem ao mar... e no pódio?!

Eu até tentei espremer o calendário do mês, mas não teve jeito: nenhuma corrida interessante, apesar de eu estar resolvendo sobre uma meia maratona. O jeito então foi arranjar outros eventos, e novamente lá fui para a água, só que desta vez o campo de batalha foi o mar, nada parecido com as águas abrigadas da represa como eu descrevi no post sobre a Travessia Guarapiranga. E para completar, um inesperado, inusitado, improvável e sei lá se merecido, pódio.

A 4ª edição do Circuito Netuno de Travessias, 2ª etapa, organizada pela YPS Eventos aconteceu neste último domingo em Santos, litoral sul de São Paulo, próximo ao Aquário Municipal. Viagem rápida, menos de 1 hora, já que nesta época do ano as temperaturas da água não são convidativas para os banhistas de temporada. Semana muito fria na capital, quedas bruscas de temperatura e tempo nublado, garantia de nem pinguins visitariam o litoral no final de semana. Mas para surpresa geral, o sol apareceu já no caminho. Apesar de não esquentar muita coisa, o tempo estável e agradável providenciou um mar calmo, uma “piscina” como alguns teimam em caracterizá-lo, mas só quem já experimentou umas braçadas em águas abertas sabe que a coisa é bem diferente. Tem gente que esquece que no oceano não existem azulejos no fundo ou bordas para ficar conversando, como muita gente insiste em fazer nas piscinas do SESC (eu não entendo, tanto lugar melhor para bater papo e o povo vai para lá só para atrapalhar o treino de quem está nadando!)

Retirei o kit composto de touca, chip de tornozelo (é, nadador também marca tempo) e medalha... peraí, medalha antes
da prova? Tá parecendo aquele evento de circo que acontece no último dia do ano, onde entregam o prêmio antes do final! Vou explicar: a organização deixou claro que somente receberiam medalhas os que fizessem inscrição até 10 dias antes do evento, pois não trabalhariam com sobras de medalhas. Portanto, e de forma justa, tinham controle dos que cumpriram o prazo e já entregavam o item antes da prova. Tudo bem, enfiei a danada na mochila e nem olhei, se eu não completar esta coisa, devolvo na barraca da organização, não sei ficar com a glória do que não me é de direito.

De todas as baterias, a minha era a última. Eu estava lá não para competir, e sim para testar uma nova roupa de borracha (neoprene, na verdade) específica para triathlon e eventos deste tipo. Esta categoria não tinha escolha, teria que nadar 1.500 metros, ao contrários dos demais, que poderiam escolher esta distância ou750 metros. No momento do posicionamento da bateria, que largou com outras categorias dado o número reduzido de atletas “emborrachados”, o organizador anunciava no megafone “3 minutos para largada”, “2 minutos”, “1 minuto”, “30 segundos” daí rolou uma
bronca para os que estavam queimando a faixa de largada e finalmente a sirene (melhor que buzina, diga-se) liberando o pessoal para a água.

Você já tentou correr coberto dos pés ao pescoço com uma camada de 1,5 mm de borracha? Pois é, eu não saia do lugar e resolvi optar pelo passo rápido, ficando para trás. Ainda parei no início da maré e ajustei o chip no tornozelo, deixando o pessoal dar as primeiras braçadas em direção à boia número 1. Entrei na água e lá vem o que eu chamo de “splash panic”, ou seja, dá um medo danado e uma sensação de terror absurda enfrentar algo daquele tipo. Nadei um pouco com a cabeça para fora d’água, o que gera um arrasto danado e engatei o nado crawl no melhor estilo aulinha de natação. Afinal o investimento valeu, a roupa faz flutuar direitinho, agora é só braço e perna!

De vez em quando você precisa olhar para a frente e procurar as boias, ou aquelas cabeças de touca azul pelo menos, para não ir parar em outro continente nadando da direção errada. Explicando: em uma travessia você contorna
boias, neste caso, passando pelas 3 primeiras no ombro direito e a última no ombro esquerdo, garantido que ninguém corta caminho. O primeiro trecho foi fácil, o segundo longo, o terceiro moleza, já que a correnteza ajudava e o quarto um parto, pois entre as boias 3 e 4 você precisa controlar a arrebentação do mar e é terrível alinhar o tempo todo. E o quinto trecho é curto e uma visão sensacional, toda vez que você olha para a frente o pórtico de chegada está mais próximo e aí é só correr até o tapete de chegada. Total da brincadeira: 1.500 metros em 38 minutos no mar, nada mal dado o último fracasso que tive no reino de Netuno em um Biathlon (agora chamado de Aquathlon).

E para minha surpresa, na categoria dos que usavam roupa de borracha, fiquei em 5º (quinto) lugar de um total de... 5 (cinco) competidores masculinos. Pode rir à vontade, eu também achei divertido, mas fiquei lá para o meu primeiro e provavelmente único pódio na vida esportiva. Gostei do troféu e mais ainda da camiseta, que só era distribuída para quem ia para o pódio, onde nas costas está escrito “Competidor”. Aquele povinho da academia vai morrer de inveja...


Gostei da organização da YPS, da prova e mais ainda da surpresa ao final. Fica a conselho de sempre: se enjoar um pouco das corridas, faça algo diferente, você vai se divertir à beça e usar o seu condicionamento em outro esporte (e talvez pegue um pódio também, quem sabe).



8 comentários:

  1. Seu podio é muito merecido, afinal tantas pessoas de corpinhos esculpidos mal sabem nadar !!! ou se sabem tem folego pra fazer seu feito, agora na épocas das enchentes de SP, bota sua roupa de borracha e vai trabalhar normalmente é um grande investimento, Parabens Claudio Rinaldo,importante seu feito , pois voce teve o prazer da motivação !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Alessandro! Gostei da ideia, vou cogitar deixar a roupa na mala na época das enchentes.

      Abraço!

      Excluir
  2. Maravilhoso heim Rinaldo! Parabéns, você merece por ser um cara bastante dedicado em tudo o que faz.
    E lhe garanto que este não será o único pódio de sua carreria não. Você brilhará muito ainda. O que você tem que fazer é se animar, se motivar muito com este primeiro que os outros virão naturalmente.
    Grande abraço e mais uma vez parabéns.


    tutta/BALEIAS/PR
    www.correndocorridas.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu amigo Tutta! Gostaria de me dedicar um pouco mais, o que falta muitas vezes é tempo para fazer direito.

      Abraço!

      Excluir
  3. Rinaldo Parabéns pelo resultado !!!!!

    Pega firme nos treinos e rumo aos proximos pódios.

    Forte Abraço

    Léo

    www.pisandoporai.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Léo, pode deixar, não vou dar moleza!

      Abraço!

      Excluir
  4. Pelas barbas de netuno!! Bacana demais! Parabéns Rinaldo! Que tal um triathlon aqui no RJ em outubro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Hoffman! Vou pensar no assunto, já tenho algumas pelejas definidas para o 2o. semestre.

      Abraço!

      Excluir