terça-feira, 28 de agosto de 2012

Ironman 70.3: sim, eu concluí a edição 2012!

Antes de mais nada,vamos esclarecer: se fosse para cobrir todos os aspectos que envolvem a participação e obviamente a conclusão de uma prova de triatlhon, dava para escrever um livro. Como eu sei que você não está com tanto tempo assim para ler páginas e mais páginas de detalhes, vou tentar relatar o que for mais interessante da participação em uma prova totalmente diferente do que estamos acostumados nas corridas. É hora de contar um pouco como eu encarei, no último sábado, 25 de Agosto, a prova Ironman 70.3 Brasil 2012. E concluí!

Apesar desta prova ser conhecida como “Meio Ironman”, devido às distâncias serem exatamente a metade da prova mais sonhada pelos triatletas, de “meio” ela não tem nada. O número “70.3” vem do fato de serem 1,2 milhas (1,9 Km) de natação, 56,1 milhas (90 Km) de ciclismo e finalizando em 13,1 milhas (21,1 Km) de corrida. Total de 113 Km a serem percorridos em no máximo 8 horas, sendo que os tempos limite para cada etapa são respectivamente 1 hora e 15 minutos, 5 horas e 8 horas, contados a partir do tiro de largada às 09:30 da manhã. Exceder qualquer um deles significa deixar a arena sem reconhecimento algum, como se você nunca tivesse estado lá.
Para quem vem do mundo das corridas, sabe que no Brasil coloca-se tempo máximo nas provas e ninguém respeita, mas lá a estória é outra, pois trata-se de uma prova que faz parte do campeonato mundial. Jeitinho brasileiro aqui, nem pensar.

Mas aonde eu estava com a cabeça de fazer a inscrição em uma doideira dessas? Perguntei-me isto nos últimos tempos, sem resposta alguma que explicasse o surto de insanidade. A começar pelo local da prova, Balneário de Penha, SC, distante mais de 600 Km de onde moro e tendo que considerar levar bicicleta e mais um arsenal de equipamentos de natação, ciclismo e corrida. Outro ponto a considerar: o preço da inscrição, mais salgado que o próprio mar: US$ 450,00, e como eu fiz a minha antes dos estouros do câmbio, foi só a bagatela de R$ 845,00. Dava para pagar umas 10 ou mais provas de corridas de rua em São Paulo! Ou seja, pagar e não ir é prejuízo na certa, sem possibilidade de reembolso parcial a partir de uma determinada data. Fiz planos, analisei mapas, pesquisei hospedagens e estradas e desci o martelo no cofrinho, ou se preferir, tirei o escorpião do bolso e mergulhei na ideia.

A partir do momento em que você confere seu nome na lista de inscritos, sabe que a casa caiu. Daí para frente foram treinos extensos, muitas vezes com mais de uma modalidade no mesmo dia ou volumes grandes e sequenciais. Para se ter uma noção, recentemente relatei minha participação na Meia Maratona de São Bernardo do Campo, só que naquele mesmo final de semana eu já havia nadado o tal 1,9 Km na piscina na sexta-feira e pedalado 90 Km no sábado antes da corrida de 21,1 Km. Eu sei, triathlon a granel, mas já ajudou a surrar o corpo nas distâncias.


O que mais encarece este esporte são os equipamentos. As águas de Santa Catarina são geladas (não é fria, é gelada mesmo!) então o primeiro passo é adquirir uma boa roupa de borracha. Roupa de mergulho não serve, eu tentei nadar com a minha e foi terrível, o jeito foi partir para uma específica do esporte. Frágil, cara e milimétrica no ajuste, ela se torna essencial para aguentar a temperatura da água e aumentar a flutuabilidade.

E a bike? Este é um assunto à parte, e só posso dizer que a minha não é a ideal. Nos últimos meses modifiquei e adaptei uma bicicleta de estrada, a clássica Caloi 10, que muita gente acha que é para passear. Deu conta do recado, apesar da minha performance na etapa de ciclismo ter sido um pouco sofrível devido a outros fatores, ela encarou o desafio numa boa. Também encarou o olhar de muito imbecil que torceu o nariz ao ver uma bicicleta tão “comum” chegar na área de transição, ao contrário das Cervèlo, Specialized ou Kuotas. Não tem jeito, babaca tem em todo lugar. Sobre corrida, não precisei gastar nada, mas você já imagina porque. Apenas atualizei um dos tênis, mas é o investimento padrão do esporte.

Com medo de esmerilhar a bicicleta em aviões ou ônibus, o jeito foi transportá-la no carro, e dirigir por 600 Km na ida, mais locomoção entre a hospedagem em Balneário Camboriú e Balneário de Penha e voltar para São Paulo. Total, 1.500 Km rodados, mas o carro aguentou, se fosse mais velho eu não teria esta coragem toda.

Então, no dia da prova, quando você olha o seu painel interior onde está escrito “Atividades físicas” e gira a chave às 09:30 da manhã, sabe que a jornada não será nada fácil, mas que vai valer a pena.

Por isto, vou dividir este relato em mais 3 partes, cada uma dedicada à etapa correspondente e as transições.

Ou seja, uma verdadeira saga!

continua em breve...

17 comentários:

  1. Parabéns Rinaldo! Grande desafio vencido. Quando eu vi o preço dessa inscrição na época, aquilo não era para mim. Meu lance é Soloman. Abraços e aguardamos o restante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Hoffman! O preço assusta, mas uma vez na vida não mata ninguém (só não dá para viciar e querer participar de todos).

      Abraço!

      Excluir
  2. Virou um Godzilla , parabens Rinaldo , bota logo os outros pedaços e não esqueça das pitadas comicas !!! Agora vai meter a camisa de Ironman e desfilar por ai, vai na academia fazer exame medico pra ver se pode frequenta-la kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei a ideia, no próximo exame médico da academia eu vou com a camiseta de "Finisher", aí vamos ver quem é sedentário!

      Abraço!

      Excluir
  3. Maravilha, Rinaldo! Parabéns pelo feito. No aguardo das demais partes da quadrilogia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Namiuti! Vou publicar em breve o restante da saga!

      Abraço!

      Excluir
  4. Ca ra lho Rinaldo!!!!!!!!!!

    Meu estou louco pelo resto do relato!!!!

    E de caloi dez em cima dos putos!!!!!

    Showwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww

    ResponderExcluir
  5. hei, esqueci de identificar-me, o comentario acima é do Claudio Dundes, eu mesmo!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Dundes! Muita Specialized e outras marcas foram ultrapassadas pela minha humilde Caloi.

      Abraço!

      Excluir
  6. Rinaldo,
    Uau! Que aventura!
    Assim como os colegas acima, estou doido para saber do resto da história.
    Valeu pela Caloi 10, ela é pobre, mas é limpinha, não é?
    Abração!
    Gilmar
    www.fotocorridagilmar.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Gilmar, vou publicar o resto em breve.

      Deveria ter dito esta frase que você sugeriu lá para o babaca que ficou olhando torto. E a dele ficou tão empoeirada quanto a minha no final devido ao vento!

      Abraço!

      Excluir
  7. Diz Aeh Rinaldo !!!

    Indo AONDE todos os Corredores de Rua querem um dia estar !!!
    Que show ... Fico muito feliz por sua conquista, vc é um exemplo de pessoa e determinação !!!

    Só posso lhe dar os mais sinceros parabéns e desejar muitos Iron´s para vc fera !!

    FELICIDADES IRON MAN !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Acacio! Uma verdadeira jornada!

      Vamos ver o que o futuro me reserva com os Irons...

      Abraço!

      Excluir
  8. Po man, nem sabia q tu tava nessa vibe, irado parabéns !!! Agora é ficar esperto para o Iron 2014, claro se vc não se inscreveu para o Iron 2013...kkkkkkkk Se vai agente se tromba lá....Ahuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza eu não me inscrevi para o Iron 2013, nem sabia se ia completar este, mas ainda dá tempo de pensar em 2014...

      Abraço!

      Excluir
  9. Parabéns pelo percurso e pela participação, show de bola !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu! O percurso é duro mas muito bacana.

      Abraço!

      Excluir