segunda-feira, 29 de abril de 2013

Eu, Ultra!

Foi encontrado na tarde do último sábado um corpo esticado na pista de atletismo de Praia Grande. Testemunhas dizem que o cidadão havia corrido 50 Km e que ganhou esta linda medalha que ele alegremente segurava com as poucas forças que lhe restavam... Pois é, faltava constar uma maluquice no meu currículo esportivo: enfrentar uma distância acima de 42 Km. Para quem não sabe, a “vida após a Maratona”, ou melhor, após a sua distância desta, chama-se Ultramaratona, e aí o céu é o limite. Ou se preferir, não tem limites, como os próprios “ultras”, corredores especialistas em distâncias insanas, costumam abordar o assunto.

O evento em questão que escolhi para esta maluquice foi a UltraRunner 100 Km Praia Grande que aconteceu no último sábado. Esta prova já está em sua terceira edição e acontece na Pista de Atletismo do Pólo Esportivo, ou seja, o atleta terá que completar 125 voltas de 400 metros (distância oficial de uma pista de atletismo) para cumprir a meta dos 50 Km. Ficou cansado só de ler? Pois saiba que ao mesmo tempo bravos heróis largam para a distância de 100 Km, ou seja, 250 voltas!


Os tempos limites são rigorosos, 8 horas para o pessoal de 50 Km e 12 horas para os atletas de 100 Km, largando às 08:00 da manhã. Não completou, você ganha as 3 letrinhas que mais assustam um ultramaratonista: DNF – Did Not Finish (Não concluiu). Debaixo de um sol de rachar asfalto, aproximadamente 200 atletas partiram com um pouco de atraso na largada para as suas distâncias escolhidas, muitos inclusive em um ritmo não aconselhável para tais empreitadas.

A prova informa em seu regulamento que é dada total liberdade de ritmo e paradas, por isto resolvi participar sem pretensão alguma de fazer dentro de um tempo determinado (mas que estivesse dentro do regulamento, naturalmente). Levei minha barraca para uma parada estratégica aproximadamente no meio da prova e deixei toda a estrutura pronta para a segunda metade. Os primeiros 10 Km foram fáceis, eu já vinha utilizando circuitos “chatos” como o Parque do Trote na Zona Norte de São Paulo e a pista da academia para ficar rodando por longos períodos, então a cabeça já estava preparada para ficar vendo a mesma paisagem repetidas vezes.

Quanto à organização, não há o que falar, numa prova de duração extensa como esta é que se percebe o quanto o staff está preparado para adversidades. Claro que ocorreram algumas pequenas falhas, mas no geral a eficiência da equipe foi exemplar, provendo todo o suporte aos atletas durante o percurso. Hidratação farta com água, Gatorade e outros líquidos, suporte alimentar na forma de bolachas, frutas e até mesmo um macarrão com purê no horário do almoço, um tonel de água fria com esponja para refrescar a cabeça, massagistas o tempo todo, piscina de água gelada e muito espaço para as barracas e acompanhantes.

Step into my office...

Quem disse que ultramaratona é só sair correndo? Se não tiver a sua estrutura própria para o seu ritmo, as coisas podem complicar. No meu caso, que sou bem lento, transpiro bastante e preciso fazer diversos ajustes ao longo do percurso, levar a barraca foi a decisão mais acertada. Deixei uma troca completa de roupa, e pode não parecer, mas depois de 20 e tantos quilômetros, debaixo de sol forte, colocar camiseta e meias limpas, além do próprio tênis, é muito refrescante. Para que você não pense que é frescura: algumas voltas antes da parada estratégica, uma bolha começou a se formar. Troquei as meias e o tênis a situação ficou sob controle, imagine se tivesse que ir até o final com o mesmo equipamento.

Mas tudo sem luxo algum, deixa eu explicar para você:


Mas então, o que deu errado?

Do meu ponto de vista, nada! É simples, eu não conhecia o formato completo de uma ultramaratona, então qualquer resultado dentro do tempo regulamentar estaria de bom tamanho. O sol foi muito, mas muito forte, imagine tomar esta dose toda de uma só vez, sem 1 milímetro de sombra! Contudo eu errei em algumas coisas:

- Confiei no GPS: além do cretino resolver acabar com a bateria antes do final da prova, os deslocamentos para hidratação, banheiro e até mesmo pelo fato de não correr na raia 1 da pista acrescentaram uns 2 Km a mais na marcação. Sobre este assunto vou deixar um post à parte, há muito que dizer, mas basta saber que eu deveria ter contado as voltas de outra forma.

- Erro de contas: errei em uma conta de voltas x tempo e quase não termino dentro do tempo regulamentar. Após o GPS “dormir” coloquei um relógio e comecei a contar voltas, baseando no quanto a tenda de cronometragem informou que faltava para eu terminar. Fiz a conta errada e terminei com apenas 5 minutos para o final do tempo máximo da prova! Resumindo, deveria ter puxado mais o ritmo e andado menos, mas o susto serviu de lição.

E os guerreiros, sempre lá!

Diversas personalidades das corridas estavam nesta prova, mas vou relatar apenas aquelas que tive contato mais próximo durante a prova: o colega Fábio Namiuti, que aguentou meu papo furado nos momentos de caminhada e que também estreava na distância, o Rafael Marrone que como sempre voava baixo na pista e a figurinha carimbada das provas de longa distância, Lucina Ratinho, que além de estar hospedada no mesmo hotel, nos deu a satisfação da companhia para uma pizza no pós-prova. Foi sensacional estar na pista com estas pessoas, colegas já conhecidos e que estavam fritando no sol comigo.



Um agradecimento especial ao novo colega, Raphael, que além de nos acompanhar do hotel até a pista, conversou muito, trocou experiências e puxou este pobre coitado por uns 10 Km ao final. Sem o seu incentivo, dificilmente eu terminaria a prova!


E é claro, agradecimentos à Márcia, que tirou as fotos, foi comprar picolé, trouxe Coca-Cola, desarmou a barraca...

E agora?

O mundo ficou menor, esta é sensação de completar uma prova deste tamanho. Mas assim como completar o Ironman 70.3 não me transformou em triatleta, o título pretensioso deste post é apenas uma brincadeira, pois eu não virei “ultra” coisa nenhuma.

Mas mesmo assim, eu já posso dizer que completei uma Ultramaratona!


(descanso? que nada, nesta semana tem um Duathlon!)

19 comentários:

  1. Sensacional relato!
    Parabens pela participação e pela força em participar destas longas distancias!
    Ainda nao me sinto preparado para tal. Talvez até psicologicamente ainda não me testei.
    Abraços e boa sorte no duathlon!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu William!

      Acertou em cheio, o que pega mais é o cansaço mental, tem horas que parece que não vai terminar nunca! Mas vale a pena, é um tipo de prova muito bacana.

      Abraço!

      Excluir
  2. E ai Rinaldo desidratou muito ? Perdeu peso, o que acontece....
    parabéns....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É praticamente impossível desidratar, a organização fornece líquidos até dizer chega. E quanto a perder peso... bom, você acaba comendo tanto durante a prova que quase dá na mesma!

      Abraço!

      Excluir
  3. Belo relato e bela participação na prova, Rinaldo. Foi uma grande satisfação dividir essa minha estreia nas ultramaratonas contigo, a quem tanto respeito e admiro. Experiência das mais marcantes, que espero repetir outras vezes, melhor preparado. E quem sabe até com dose maior de insanidade. Prefixos ou sufixo junto ao nome são o de menos, o que vale mesmo é a vivência. E essa foi simplesmente extraordinária.

    Um grande abraço e até outros desafios por aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Namiuti, parabéns pela prova e valeu pela companhia nas incontáveis voltas naquela pista! Para a próxima já vamos estar mais calibrados com o formato da prova.

      Abraço e bons treinos!

      Excluir
  4. Grande Rinaldo,
    Parabéns guerreiro, lutou até o final até o final da prova conseguindo terminar em grande estilo.
    Mais uma vez Parabéns.
    Boa semana e bons treinos.
    Rafael Marrone

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A briga foi boa, bem que o relógio tentou me derrubar, mas não foi desta vez!

      Parabéns pela sua conquista também, foi muito bom revê-lo na prova!

      Abraço e boas corridas!

      Excluir
  5. GRandddeeee Rinaldo !!!

    PArabéns pelos 50Km showwwww, eu nem imagino como deva ser isso.

    Showwwww

    Forte Abraço

    Léo

    www.pisandoporai.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Léo, está convidado para as próximas!

      Abraço!

      Excluir
  6. Nossa, isso é que é correr, amigo. PA RA BÉNS. Meu carinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, quem me dera ter corrido tudo isso, mas ainda chego lá sem caminhar em alguns trechos.

      Valeu amiga, bons treinos!

      Excluir
  7. Rapaiz do céu! Que coisa louca e ao mesmo tempo animal de se fazer! Um dia chego lá! Meus parabéns!! Mandou muito bem!

    Abração

    Paulo
    Corre Coração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Paulo! Eu tenho absoluta certeza que você chega lá sim, corredor é um bicho teimoso, não desistimos facilmente!

      Abraço e bons treinos!

      Excluir
  8. Parabéns Rinaldo! Que venham mais desafios!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, tem muito mais pela frente!

      Abraço!

      Excluir
  9. Parabéns, Rinaldo!
    Que maravilha, hein cara!
    Muitos têm vontade. Poucos vão lá e fazem.
    Você fez...Mas além de toda sua superação o que mais deixa como exemplo é o valor de sua humildade.
    Excelente texto.

    Só posso te desejar sucesso nos novos desafios.

    Um forte abraço!

    Alex Dahlke
    doidoporcorrida.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Alex! Realmente exige uma certa dose de coragem clicar no botão "inscrição" na tela, mas vale a pena, basta lembrar que vai ser cansativo.

      Abraço e boas corridas!

      Excluir