quinta-feira, 8 de março de 2012

Mais uma boa leitura: "42,195"

Corredores geralmente buscam livros sobre outros corredores especialmente para motivação e identificação com outras estórias de superação e sucesso. O que eu não esperava encontrar entre a estória de Fauzer Simão Abrão Júnior em seu livro “42,195 – A Maratona de desafios que superei nos meus 42 anos e 195 dias de vida por meio da corrida!” eram tantos pontos em comum com a minha própria trajetória. Já devo adiantar que eu não passei nem perto das situações extremas de saúde que o corredor relata em sua obra, mas o interessante é identificar tantos momentos em que estivemos próximos em provas e eu nem sequer imaginava que um corredor ali no mesmo ritmo e tempo de prova que eu pudesse ter tanta força de vontade a mais.

Porém as coincidências não param aí. Descobri que cursamos a mesma faculdade na mesma época, e que pelo ano que o autor informa que se formou, provavelmente ele foi um dos veteranos que “tosou” meu cabelo quando eu fui aprovado no vestibular. Mudei de curso e faculdade após pouco mais de um ano, mas com certeza nos esbarramos no campus da Escola de Engenharia Mauá sem saber que um futuro um pouco distante nos traria para o mundo das corridas. E daí, mais semelhanças no percurso.

Porém antes de falar dos feitos heroicos, é necessário destacar que o corredor sobreviveu a 5 cirurgias, 2 tromboses, 2 mortes de parentes próximos, 4 metros de intestinos removidos, ligamentos rompidos, erros médicos e mais uma porção de fatos que deixam o leitor de cabelo em pé só de imaginar. Mesmo assim, no fechamento de sua obra, só para citar alguns fatos, já eram 4 maratonas, 7 meias, 4 São Silvestres e um totla de 87 corridas. E tem gente que fica dodói e não sai para treinar só porque está resfriadinho...

As narrativas das corridas, especialmente as maratonas, são bem realistas, e como eu participei em muitas das edições que foram relatadas, posso dizer que estão descritas com detalhes que eu nem havia percebido no dia das provas. E o ritmo praticamente o mesmo que o meu, já que ele também é um sub-6-horas nos 42K com muito orgulho, igual este que vos escreve. Provavelmente fugimos do mesmo ônibus cata-morto nas edições da Maratona de São Paulo!

É uma leitura rápida, impressionante, motivadora e bem humorada, especialmente quando ele se compara ao “urso”, um coelho por ele assumido nas mais diversas corridas para mensurar o quanto estava mais rápido ou mais lento, com direito até a placar de vitórias.

Mesmo que você seja de alto rendimento, vai adorar ler este relato de alguém que enfrentou muito mais que os limites do corpo com mais de 3 dígitos de peso na balança quando iniciou nas corridas. A dedicação do autor é um exemplo de que é possível superar barreiras colossais com a corrida.



3 comentários:

  1. Olá!!!
    Gosto de ler relatos de outros corredores da mais vontade ainda de correr.
    tenha boa noite.
    abraço.
    cris

    ResponderExcluir
  2. O livro deve ser bem emocionante mesmo.
    Onde pode ser encotrado para venda?

    Abraço.


    tutta/BALEIAS/PR
    www.correndocorridas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Respondendo a pergunta do Tutta, você pode encontrar o livro na Livraria Cultura:

    http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=11037848&sid=10210825014315898879253

    ResponderExcluir